Scammers ou espíritos de porco?

cracker.jpg

Como de costume, a tragédia ocorrida na Escola Municipal Tasso da Silveira, no último dia 7, está sendo explorada de todas as formas, especialmente pela mídia.

Acontece que, ao contrário da mídia, que pelo menos tem a justificativa de informar as pessoas, certas coisas não têm desculpa: menos de uma semana depois do massacre, já circula na internet uma mensagem que supostamente divulga uma carta deixada pelo atirador. Na verdade, ela traz o link para um arquivo que contamina a máquina do internauta.

Que os golpistas não costumam ter ética, não é novidade, basta ver como se aproveitaram dos desastres dos vôos Gol 1907 e do TAM 3054. Mas um e-mail que tenta contaminar as máquinas de internautas explorando a trágica morte de doze crianças em sala de aula, ocorrida há poucos dias, é o cúmulo!

Continue lendo

E o pulso?

pericles_luz.png

Preciso voltar a usar o agendamento de artigos, até porque ainda estou sem acesso à internet em casa e 2011 promete ser tão ou mais atribulado que o ano passado.

Dezembro e janeiro vieram (e foram embora) e perdi a oportunidade de escrever sobre a falta de espírito natalino, sobre os cuidados que devem ser tomados nas compras de fim de ano ou pelo menos escrever uma mensagem de ano-novo.

Como resultado, Zé Rosa, do ZÉducando, próximo de sua meta de um artigo por dia (parabéns, Zé!), recomendou meu humilde site de uma forma, no mínimo, peculiar:

Continue lendo

Os melhores antivírus para Windows em 2010

antivirus.jpg

Tenho usado o Linux há quase cinco anos e estou muito satisfeito. Uma das razões para minha satisfação é que o Linux é um sistema operacional bastante seguro: nas principais distribuições (como Fedora, openSuse, Debian, Mandriva, Slackware e Ubuntu, por exemplo), as configurações de fábrica já provêm um nível de segurança aceitável.

Não digo que o Linux seja imune a ameaças como alguns afirmam por aí; nenhum sistema operacional é. Mas, em muitos casos, alguns cuidados simples por parte do usuário dão uma certa tranquilidade quanto a vírus, cavalos de tróia e outros malwares existentes. Como por exemplo: não usar a conta de administrador rotineiramente, apenas executar programas e scripts obtidos de fontes seguras, manter o sistema atualizado e ler com atenção as mensagens do sistema antes de clicar no botão “OK”.

Entretanto, relembrando meu tempo de usuário Windows e, como forma de auxiliar aqueles que ainda usam esse sistema operacional, apresento a classificação das principais ferramentas de segurança segundo o instituto de pesquisa alemão AV-Test.

Continue lendo

Proteja seu endereço de e-mail

antispam.jpg

Não é impressão sua a sensação de que a maior parte dos e-mails é lixo. Segundo o último relatório da Symantec, 91,89% de todos os e-mails no mundo são spam.

Não, você não leu errado! Quase todos os e-mails que circulam na internet são spam (pelo menos por enquanto)! E, segundo as estatísticas, o Brasil é um dos campeões na área.

O relatório não explica porque, mas creio que uma das razões seja a falta de cuidado dos brasileiros. No Brasil, abundam apresentações em powerpoint, na maioria das vezes, mensagens de auto-ajuda ou boatos infundados, invariavelmente terminadas com um apelo para encaminhar a todos os contatos da lista.

Ao receber uma dessas mensagens, o spammer passa a contar com uma lista novinha de vítimas porque a maioria dos internautas brasileiros não costuma zelar pela privacidade do próximo:

  • usando o campo de cópia oculta; e
  • removendo os endereços de destinatários anteriores do corpo da mensagem ao enviá-la.

Continue lendo

Quem tem, tem medo

padlock.png

É pública e notória a importância de cuidar dos seus dados na internet. Cuidado com sites não confiáveis, use senhas fortes e não divulgue seus dados a estranhos são apenas algumas das várias orientações voltadas para a segurança dos usuários. Eu mesmo, já tratei do assunto aqui, pelo menos quatro vezes:

Infelizmente, na última terça-feira (dia 3 de agosto), dados pessoais de quase 12 milhões de inscritos no ENEM ficaram disponíveis para acesso público por três horas. O interessante é que parece que a falha, como na maioria das vezes, decorreu de falta de cuidado e excesso de confiança nos usuários.

Continue lendo