Qual a melhor escola?

Recentemente, tive que escolher uma escola primária. Rapaz, isso é muito mais difícil do que parece!

Os requisitos básicos, em minha humilde opinião, são:

Continue lendo

Chega de “café-com-leite”

Tenho lido sobre educação infantil e encontrei (aqui) este interessante artigo de Rosely Sayão, publicado na Folha de São Paulo em 12/02/2004:

Não trate o filho ou aluno como café-com-leite

Por Rosely Sayão*

rosely_sayaoCreio que todo mundo conheça o significado da expressão “café-com-leite”. Quando crianças estão participando de um jogo ou de uma brincadeira e acontece de uma delas querer entrar, mas não apresentar condições de acompanhar as regras ou de envolver-se do mesmo modo que as outras, ela é admitida em caráter especial. Trata-se de um recurso para incluir essa criança – em geral, menor do que as outras – naquele grupo sem, entretanto, comprometer o andamento do jogo. Usada nesse sentido de inclusão, a criança café-com-leite é valorizada, já que a mensagem do grupo é clara ao informar que, mesmo reconhecendo que ela ainda não está em condições de partilhar os objetivos dos outros, é acolhida e aceita por todos.

Acontece que muitos pais se apropriaram do significado de tal expressão – sem perceberem – e passaram a usar o seu conceito com o objetivo de proteger o filho, o que perverteu o sentido original dela. Os pais pretendem proteger o filho dos riscos da vida, dos perigos, dos sofrimentos inúteis? Não.

Continue lendo

Programas para screencast

screencasting_monitor.jpg

Atualmente, orientar usuários a realizar procedimentos é muito trabalhoso. Na época das interfaces orientadas a caractere (p.ex. MS-DOS), era só listar uma seqüência de passos a serem seguidos.

Com as interfaces gráficas, por outro lado, o usuário precisa ver a tela, e tirar um screenshot atrás do outro para exibir cada passo do processo é tedioso. A alternativa é fazer um screencast, uma animação exibindo todo o processo a ser ensinado.

Continue lendo

Que tal uma vida sem notas?

calvin_school.png

Não sou muito fã da revista Veja. Acho-a parcial e já tive um qüiproquó com ela em virtude do Software Livre (eles disseram que era obrigatório usar Software Livre nos órgãos federais). Mas, como meu sogro gosta e é assinante, eu leio.

De vez em quando, eles publicam algo que acho interessante. Dessa vez, foi um artigo de Stephen Kanitz na seção Ponto de vista. Ou, direto no site do autor.

Continue lendo