A cabeça de Pudim

As tirinhas de Armandinho são realmente muito boas. Elas defendem conceitos e ideias valiosos de uma maneira não apenas lúdica, mas também delicada… De certa maneira, até ingênua!

Bem adequadas aos tempos coléricos e extremistas que estamos vivenciando…

armandinho_pontodevista.jpg
Fonte: Armandinho.

Claro que cada um tem a liberdade de escolher as referências e pontos de vista que nortearão suas opiniões! Mas podemos lamentar, não é?

P.S. Não, eu não estava de férias, foi corre-corre mesmo…

Uma questão de semântica

Existem palavras que achamos bonitas mas que nem sempre paramos refletir sobre o que realmente significam. Um bom exemplo é a palavra “semântica”: todos nós sabemos qual é a sua definição segundo os dicionários:

Semântica (substantivo feminino)
Parte da linguística que se dedica ao estudo do significado das palavras e da interpretação das frases ou dos enunciados.

(Dicio, Dicionário Online de Português)

Mas que tal um exemplo?

mentirinhas_divide_conquer.jpg
Fonte: Mentirinhas.

Achei que esse seria um bom complemento para a reflexão que propus há um tempo atrás… Afinal, follow-up está na moda!

Tempos polarizados

O mundo anda cada dia mais extremista! Tanto que, quando alguém ingenuamente tenta intermediar uma discussão para ajudar os participantes a chegarem a um meio termo (ou pelo menos respeitarem a opinião do outro), normalmente é atacado por aqueles que antes discutiam…

E ainda tem aqueles que chamam o ingênuo de “cinzentão”…

Quem sabe, faz?

Quando eu ainda estava na faculdade, um professor comentou que um dos erros mais comuns nas empresas era reduzir investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em épocas de crise. Justamente nos momentos em que é necessário “pensar fora da caixa”, cortam-se os recursos para isso…

Infelizmente, isso não é exclusividade das empresas, como pode ser observado no relatório da OECD sobre o assunto em 2014. Segundo a edição mais recente (2018), o problema persiste:

Desde 2010, o investimento público em I&D na OCDE como um todo, e em quase todos os países do G7 estagnou ou diminuiu, não só em termos absolutos e relativamente ao produto interno bruto, mas também em termos de percentagem da despesa pública total.

OECD Science Technology and Inovation Outlook 2018

Para piorar, recentemente tivemos notícias de cortes nas verbas destinadas ao Sistema S. Logo aqui, onde não precisamos nem falar de P&D porque o déficit de educação é um problema crônico! Como desenvolver um país em que a educação é relegada a segundo plano, chegando até a ser considerada “despesa” e não “investimento”?

Eu canso de ver pessoas estudadas repetindo o ditado Quem sabe, faz; quem não sabe, ensina e perguntando-se por que os jovens de origem asiática vão mais longe nos estudos e deixam os brasileiros para trás

Continue lendo

Nós e eles…

É comum associamos o termo “propaganda” a uma peça (normalmente texto, imagem ou vídeo) criada para divulgar um produto ou serviço de forma a influenciar potenciais consumidores e esquecemos uma outra acepção de propaganda, bem mais sutil:

O termo deriva do latim propagare, que significa reproduzir por meio de mergulhia.

É um dos meios de anunciar determinado assunto, com o objetivo de convencer ou influenciar a opinião do seu receptor, embora também possa estar ligada à junção de pessoas em prol de uma causa ou campanha.

A propaganda utiliza um conjunto de ações e estratégias combinadas com fins ideológicos, políticos, emocionais e instintivos para influenciar o seu receptor.

(Significados, Conceitos e Definições)

Por isso, deixo aqui, para reflexão, uma imagem sobre propaganda que achei no mínimo… Interessante!

essencia_propaganda.jpg
Fonte: Desconhecida (via Imgur.com).

Já parou para pensar como a maioria das campanhas nos dividem em “nós” e “eles”?

Como diriam certos generais:

Divide et impera!

(Philipe II da Macedônia, Caio Júlio César, Napoleão Bonaparte, etc.)