Que língua difícil!

lusophone.jpg

Hoje estava dando uma aula, quando ocorreu o diálogo abaixo:

– O layout panorâmico permite uma certa privacidade sem perder a facilidade de supervisionar, usando meias divisórias…

— Meias divisórias, professor?

— Sim, meias divisórias. Como eu dizia [...]

À primeira vista, o caso estava encerrado, mas como estamos tratando da Língua Portuguesa, que de flor não tem nada, com seus montes de regras e exceções, aquilo ficou me incomodando o resto da aula.

Cá entre nós, que língua difícil! Concordo que “toda regra tem uma exceção”, mas nossa língua abusa! É um conjunto de regras tão complexo que, mesmo que achemos que falamos português corretamente, quando alguém faz uma pergunta sobre algo que é dúbio, a maioria de nós (eu pelo menos) titubeia. Um caso extremo seria aquela piada:

– Dona Ifigênia, por favor, marque a reunião mensal para sexta-feira.

— Seu Sinfrônio, desculpe-me por perguntar, mas “sexta-feira” é com “xis” ou com “ésse”?

— Hã… Pensando melhor, marque para sábado!

O irônico é que, antigamente, o diferencial era falar inglês corretamente. Hoje, isso virou regra e o diferencial é saber falar português corretamente.:???:

Fui pesquisar e encontrei um monte de informação (e desinformação) na internet. Uma, aparentemente confiável e bastante completa é na UFRJ. Clique aqui.

Outra, que achei mais didática é no site do professor Dílson Catarino. Nunca tinha visitado esse site antes, mas é bastante didático. O único porém é que parte do assunto é apenas para assinantes… Para ver o assunto “Plural de Substantivos Compostos”, clique aqui.

De forma geral, quando vamos fazer o plural de um substantivo composto:

  • se ele não usar hífen, para todos os efeitos, é uma palavra só, e o plural deve ser aplicado apenas na segunda palavra. Ex.: microcomputador/microcomputadores;
  • se ele usar hífen, para fazer o plural, devemos considerar cada palavra separadamente:
    1. se a primeira palavra for um substantivo, um adjetivo ou um numeral, ambas as palavras irão para o plural: cachorro-quente/cachorros-quentes, gentil-homem/gentis-homens e segunda-feira/segundas-feiras;
    2. se a primeira palavra for um verbo, advérbio ou interjeição, apenas a segunda palavra irá para o plural: beija-flor/beija-flores, abaixo-assinado/abaixo-assinados e ave-maria/ave-marias;
    3. quando ambas as palavras forem substantivos, e a segunda especificar tipo ou finalidade da primeira, apenas a primeira irá para o plural: banana-maçã/bananas-maçã;
    4. quando ambas forem verbos, há controvérsias. Mas, a regra geral é que apenas a segunda irá para o plural: pisca-pisca/pisca-piscas;
    5. quando as palavras forem repetidas (ou forem onomatopéias), apenas a segunda irá para o plural: tique-taque/tique-taques;
    6. quando forem mais de duas palavras, e a segunda for uma preposição, apenas a primeira irá para o plural: pé-de-moleque/pés-de-moleque.

Existem outros casos (claro!), mas como são muitos (e com muitas exceções), sugiro que dêem uma olhada nas páginas.

A propósito, o correto é “meias divisórias”…:wink:

15 comentários sobre “Que língua difícil!

  1. Gostei muito da explicação, continue sempre nos enviando assuntos como estes, pois gostaria de saber usar bem a língua portuguesa, mas é muito difícil de aprender.

  2. POIS É A PIOR LINGUA PRA DE ESCREVER, OU SEJA CHEIA DE REGRAS, ESSA PESTE É MUITO COMPLICADA COLOCA-LA EM PRÁTICA., QUEM INVENTOU ESSA ***** MERECE UM BELO CASTIGO.

    EX. CLASSICOS;
    AQUELA MULTIDAO COMPARECEU AO ESTADIO

    AQUELA MULTIDAO DE TORCEDORES COMPARECERAM OU
    COMPARECEU AO ESTADIO , AMBAS ESTAO CORRETAS V/~E SE PODE É MOLE OU QUER MAIS.

    OUTRO EX;

    ZE NAMORA COM QUEM? errada

    ZE NAMORA QUEM? certa

    PREFIRO CAFÉ DO QUE LEITE errada

    PREFIRO CAFÉ A LEITE certa

    ASSIM POR DIANTE, É COISA DE LOUCO ESSA LINGUA

  3. gostei moooooooooito de suas explicaçãoes!!!!vc é show!posso naum ter um português muito bom mas o que vale é q sua explicação me ajudou muito !!!!!! continue assim!!!!!!!!!!!!

  4. Gostei ds dicas de português.
    Acho uma boa idéia criar um serviço permanente na página principal do seu site com dicas, esclarecimentos, e sugestões da nossa língua portuguesa.

  5. Bom, sou brasileiro, falante nativo do português, adoro minha língua, mas concordo que ela é difícil… mas gostaria de fazer aqui uma crítica, ao ensino do português nas escolas do Brasil: os gramáticos querem que falemos uma língua que na verdade não usamos em nosso dia-a-dia. Por exemplo, odeio o fato de não poder se iniciar um período com um pronome oblíquo… mas, pô, aqui não falamos na linguagem coloquial: “Dê-me um copo d’água” e sim “Me dê um copo d’água”… em resumo, acho que deveríamos nos focar numa gramática mas próxima da realidade, numa gramática de um português bem brasileiro, e sería bom se houvesse uma reforma na gramática portuguesa para simplificá-la um pouco mais… entro sempre em muitas salas de chat hispânicas, e com as pessoas que falo é muito raro encontrar alguém que fale português (acho que é a gramática que assusta esse povo, não sei), mas penso que o fato de uma língua ser difícil não tem nenhuma vantagem.
    Bom, isso é minha opinião pessoal. É o que acho.

    • Rafael, concordo com você.

      Do momento em que diz que "adora sua língua" até o momento em que diz que não há vantagem "uma língua ser difícil".

      Só queria salientar que, com os professores ensinando as estruturas formais, o povo já está "ixcreveno axim" nos chats da vida, imagine se relaxarmos mais as regras…:shock:

  6. A linguagem escrita usada nos quartéis nem sempre obedece aos preceitos gramaticais. Assim sendo, o que fazer quando a autoridade está acima da regra?

    • Pergunta difícil!:wink:

      Dependendo da "autoridade", eu ouviria errado e ficava quieto.

      De qualquer forma, evitava usar a mesma frase, para não ser forçado a falar corretamente e parecer insubordinação…:mrgreen:

  7. QUAL DESSAS PALAVRAS TEM O PROCESSO DE DERIVAÇÃO PREFIXAL: PERNILONGO, PÉ-DE-CANA, REFAZER, COSTUREIRA E SILENCIOSO.
    FICAREI ESPERANDO RESPOSTA.

    • Maria, a palavra "tique-taque" tem o hífen no meio. E seu plural é "tique-taques" (apenas a última parte vai para o plural). Dê uma olhadinha no quinto caso do meu texto:

      1. quando as palavras forem repetidas (ou forem onomatopéias), apenas a segunda irá para o plural: tique-taque/tique-taques;


      Quanto à derivação prefixal, como o próprio nome diz, ela ocorre quando há o acréscimo de um prefixo, como em "injusto". Para mais detalhes, há um artigo bem prático na Gramática On-line.

Deixe um comentário: