O Caso do Abacaxi

abacaxi.gif

O Caso Palmeira, apesar de simples, atingiu o objetivo de causar reflexões em sala.

Uma aluna, por exemplo (valeu, Beth!), lembrou de uma história que corre a internet.

O foco é outro, mas o caso é igualmente interessante:

João trabalhava numa empresa há muitos anos. Funcionário sério, dedicado, cumpridor de suas obrigações e, por isso mesmo, já com seus 20 anos de casa. Um belo dia, ele procura o dono da empresa para fazer uma reclamação:

— Patrão, tenho trabalhado durante estes 20 anos em sua empresa com toda a dedicação, só que me sinto um tanto injustiçado. O Juca, que está conosco há somente três anos, está ganhando mais do que eu e foi promovido para um cargo superior ao meu.

O patrão escutou atentamente e disse:

— João, foi muito bom você vir aqui. Antes de tocarmos neste assunto, tenho um problema para resolver e gostaria de sua ajuda. Estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço. Aqui na esquina tem uma quitanda. Por favor, vá até lá e verifique se eles têm abacaxi.

João, meio sem jeito, saiu da sala e foi cumprir a missão. Em dez minutos estava de volta:

— E aí João?

— Verifiquei como o senhor mandou. O moço tem abacaxi.

— E quanto custa?

— Isso eu não perguntei, não.

— Eles têm quantidade suficiente para atender a todos os funcionários?

— Isso também eu não perguntei.

— Há alguma outra fruta que possa substituir o abacaxi?

— Não sei, não…

— Muito bem, João. Sente-se ali naquela cadeira e aguarde um pouco.

O patrão pegou o telefone e mandou chamar Juca. Deu a ele a mesma orientação que dera a João:

— Juca, estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço. Aqui na esquina tem uma quitanda. Vá até lá e verifique se eles têm abacaxi, por favor.

Juca partiu para cumprir a missão e, em oito minutos, voltou.

— E então? Indagou o patrão.

— Eles têm abacaxi, sim, e em quantidade suficiente para o nosso pessoal. Se o senhor preferir tem também laranja, banana e mamão. O abacaxi é vendido a R$1,50 cada, a banana e o mamão a R$1,00 o quilo, o melão R$1,20 a unidade e a laranja R$20,00 o cento, já descascado. Mas como eu disse que a compra seria grande, eles me deram 15% de desconto. Aí, aproveitei e já deixei reservado. Conforme o senhor decidir, volto lá e confirmo – explicou Juca.

Agradecendo as informações o patrão dispensou-o. Voltou-se para João que permanecia sentado ali e perguntou-lhe:

— João, o que foi mesmo que você estava me dizendo?

— Nada sério, não, patrão. Esqueça. Com licença.

E João deixou a sala.

Antes que você pense que isso é apenas uma piada e comece a rir, outro aluno lembrou de um diálogo que ouviu na empresa em que trabalhou:

frango— Dona Gumercinda, por favor, vá ao mercado e veja o preço do frango para o festa de confraternização.

— Sim, senhor.

Meia hora depois, dona Gumercinda retorna:

— E então, dona Gumercinda, qual o preço do frango?

— Eles não têm frango, não. Só têm galinha…

Agora, pode rir…

8 comentários sobre “O Caso do Abacaxi

  1. Ótimo texto. Retrata uma realidade que muitas vezes não vemos, ou preferimos não ver, que é a de que tempo de casa (o primeiro a chegar) não significa necessariamente o primeiro a crescer…

  2. Adorei… Gostei tanto que apliquei o texto do abacaxi no mural da minha empresa… Por incrível que pareca… Muita gente mudou!

  3. nao gostei porque o primeiro texto não é esse eé sobre o Alvaro ee nao achei nenhuma graçs nesse do frango eu entendi mais por favor tenha mais um pouco de criatividade :S

      • Esse texto é muito bom! O conheci em uma empresa que trabalhei há 18 anos, em um curso que fiz. Hoje, vim buscá-lo na internet, pois perdi a folha onde ele estava, e pretendo usá-lo essa semana. Realmente o nome da pessoa do texto que eu possuia era Alvaro. Nesse é Juca. Mas não muda a moral da história. Temos que ser pessoas com iniciativas. Ter olhos de águia, olhar amplo.
        Obrigada José Luís.

        • Denna, também gosto muito quando consigo encontrar um texto antigo. Fico feliz em ter ajudado!

          Obrigado pelo esclarecimento com relação a Álvaro.

          Sinta-se à vontade para navegar pelo site, tenho certeza que encontrará outras coisas interessantes.

Deixe um comentário: