Esqueceram que o orkut é para maiores de 18 anos?

surprised.png

Há várias cartilhas sobre internet disponíveis. Umas voltadas para os jovens, outras para os idosos. Umas poucas mais técnicas, a maioria nem tanto. Mas todas (ou melhor, quase todas — é perigoso generalizar), tentam passar orientações sobre segurança na internet, um meio caótico e anárquico por natureza.

Cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém, diz o adágio. Orientações sobre segurança são sempre bem-vindas. Contudo, na minha opinião, certos maus costumes estão tão arraigados que passam despercebidos pela maioria de nós e escapam às boas intenções, nossas e dos elaboradores de cartilhas. Alguns desses costumes, como desobedecer ou ignorar regras, são bem antigos. Outros são mais recentes, como deixar as crianças à mercê de “babás eletrônicas”: antes a televisão, hoje o computador e a internet.

Recebi uma cartilha, muito bem feita, que se dispõe a dar orientação aos pais e crianças sobre o bom uso da internet, com dicas e soluções para um acesso consciente e seguro. É uma cartilha curta, com orientações simples e rápidas para pais que se preocupam com a segurança de seus filhos na internet. Traz ainda uma história em quadrinhos com uma lição muito boa sobre violência e discriminação na rede. O problema é com a mensagem implícita na historinha…

Os protagonistas são dois meninos que têm perfis no orkut. O problema é que o Estatuto da Comunidade informa que:

Apenas pessoas com idade a partir de 18 anos podem usar o orkut. Se encontrarmos qualquer evidência de que um usuário é menor de 18 anos, tal perfil estará correndo risco de ser removido.

Sem entrar no mérito das razões que levaram o Google a adotar essa idade mínima, a restrição existe e burlá-la é mentir, é errado. Sei que:

  • há pais que não se importam se seus filhos preenchem os formulários com informações falsas (e depois se perguntam por que esses mesmos filhos mentem para eles);
  • há centenas (milhares?) de menores com perfis contendo uma data de nascimento falsa; e
  • enfiar a cabeça na areia e ignorar o problema é bobagem.

Mas creio que, se é para reconhecer essa situação, o certo seria enfrentar o problema e tentar convencer os pais que considerar “normal” seus filhos terem perfis no orkut é fornecer dados errados, é mentir. Talvez até seja enquadrado como crime de falsidade ideológica (advogados de plantão, ajudem-me, por favor). E eu ouvi falar de pais que criam um perfil para o filho recém-nascido porque acham “bonitinho”!

Considero que quem ensina não pode se colocar na delicada posição de “concordar” com algo errado. Se tenho que me dirigir a pessoas que fazem algo sabidamente errado, preciso salientar, em algum momento, que aquilo é errado.

Como acho que a cartilha foi feita com boas intenções, encaminhei uma mensagem à ABCID (Associação Brasileira de Centros de Inclusão Digital), responsável pela edição, e outra ao CDI-PR (Comitê para Democratização da Informática do Paraná), responsável por uma outra cartilha excelente, de onde foi retirada a historinha.

E você? Já pensou sobre o assunto?

Atualização: A mensagem que enviei para o CDI-PR retornou com erro, mas recebi uma resposta positiva da ABCID (apesar da grafia incorreta no meu nome ):

Ok José Luiz,
levarei sua consideração ao conselho de produção
obrigado pelo retorno
Abs
[…]
www.abcid.com.br

Um comentário sobre “Esqueceram que o orkut é para maiores de 18 anos?

  1. Bacana este post. Principalmente para quem tem filhos na infância ou adolescência. Certamente há um porquê de o Orkut explicitar a idade mínima de 18 anos. O problema é que a ‘natureza’ da Web é aberta, e fluida. E como confiar que uma pessoa (criança no caso) vai preencher corretamente os dados de seu perfil?

Deixe um comentário: